BBBClass 3/2014: Sadhu sanga – o poder da associação – Sripad Vaisnava Maharaj

Introdução:

Este artigo é uma compilação de alguns dos materiais apresentados no Tema 3 Sadhu Sanga – do Back to Bhakti Basic Class (De volta ao básico de Bhakti Yoga), e traduzidos por Rasa Sundari Devi Dasi – Uberlândia.

Nesta edição do encontro nacional transmitido ao vivo pela internet foram compartilhados entre os participantes.

Para saber mais sobre o Grupo de Estudos, se inscrever e participar clique aqui.

TEMA 3 – Sadhu Sanga

Este vídeo de Sripad Vaisnava Maharaj foi a abertura do encontro, que seguiu com a seleção de trechos de escrituras sobre Sadhu Sanga e de trechos de obras de Srila Sridhar Maharaj e Srila Govinda Maharaj nas quais eles explicam o tema:

Trechos de Escrituras:

“A pessoa que deseja obter opulência Divina deve adorar aquele que é atmajña, auto-realizado. Isto é, deve adorar um devoto de Sri Hari, a Suprema personalidade de Deus” – Mukunda Upanishad 3.1.10

“Na associação de devotos puros, discussão de passatempos e atividades da Suprema Personalidade de Deus são muito agradáveis e satisfatórias aos ouvidos e ao coração. Pelo cultivo de tal tipo de conhecimento uma pessoa pode gradualmente avançar no caminho da liberação. Depois disso ele se torna liberto e sua atenção se torna fixa. Aí então a devoção real e o serviço devocional começam”. Sri Bhagavatam 3.25.25

“Meu querido rei Rahugana, a menos que a pessoa tenha a oportunidade de borrar seu corpo com o pó sagrado dos pés de lótus de grandes devotos, ela não poderá realizar a Verdade Suprema. Uma pessoa não pode realizar a Verdade Suprema simplesmente por observar o celibato, por adorar uma deidade, por aceitar o voto de sannyasi, por seguir perfeitamente as regras do ashram de grhastha (da vida familiar), nem pode obter este tipo de verdade por aceitar severas penitências e austeridades, por estudar os Vedas ou por adorar os semi-deuses do Sol e da água. Apenas pelo banhar na poeira dos pés de lótus de um devoto puro a Verdade Absoluta é revelada”. Sri Bhagavatam 5.12.12

Trechos de Obras dos mestres da Sri Chaitanya Saraswat Math:

1. Sridhar Maharaj – Vulcão Dourado do Amor Divino

Ao mesmo tempo, devotos virão até nós dizendo: “Não tenha medo. Nós somos todos como você. Vamos caminhar juntos em linha reta. Não tenha medo – nós estamos aqui.” É dito que os devotos de Krishna são ainda mais simpáticos conosco do que o próprio Sr Krishna. O consolo para nossas vidas e de (a) nossa fortuna são Seus devotos, e Krishna diz: Mad bhaktānāṁ cha ye bhaktāḥ: “Aquele que é servo do Meu servo é o Meu verdadeiro servo”. Sadhu-saṅga, a associação com pessoas santas é o que há de mais valioso e importante para as nossas vidas. Para guiar o nosso avanço e o nosso progresso em direção ao infinito, a associação é o nosso guia; e é isso o que importa. Devemos nos fixar nesta conclusão:

‘sādhu-saṅga’, ‘sādhu-saṅga’,—sarva śāstre kaya

lava-mātra sādhu-saṅge sarva-siddhi haya

“A conclusão que foi dada pelas escrituras é que toda a perfeição pode ser alcançada com a ajuda de pessoas santas. Boa associação é a nossa maior riqueza para alcançar a meta suprema. “

2. Srila Gurudeva no livro Reflexões Douradas

Śrīla Rūpa Goswāmī elencou sessenta e quatro tipos de serviços no Śrī Bhakti-rasāmṛta-sindhu. Sriman Mahāprabhu deixou, de forma concisa, somente cinco.

sādhu-saṅga, nāma-saṅkīrtana, bhāgavat-śravana

mathurā-vāsa, śrī-mūrtira śraddhāya sevana
sakala sādhana śreṣṭha ei pañcha aṅga

Devemos nos engajar em todos os diferentes tipos de serviço: pregação, glorificação ao Senhor Hari, ao Guru e ao Vaishnava; serviço no Templo e aos devotos; realizar parikramā (peregrinação) aos três principais Dhāms sagrados: Vṛndāvan, Jaganatha Purī, e Nabadwīp; e, imprimir e distribuir livros de glorificação a Śrī Guru Gaurāṅga Gāndharvā Govindasundar Jīu. Guru significa a glorificação ao Divino Mestre e devemos glorificar também os Vaishnavas. Durante este ano podemos (devemos) publicar vários livros dentro dessas (nessas) linhas. Temos também grande ambição em posterior publicação (distribuição) em todo mundo.

3. Srila Sridhar Maharaj no Satisfação Interior

Neste trecho, Srila Sukadeva Goswami explica que um instante é suficiente para resolver todos os problemas da uma vida, desde que devidamente associado em sādhu-saṅga. A todo custo, tente buscar a oportunidade de estar em sādhu-saṅga, a associação com o agente do Senhor Krishna. Qual é a necessidade de viver por eras e eras, se estamos inconscientes do nosso próprio interesse? Um momento utilizado apropriadamente é suficiente para resolver todos os problemas das nossas vidas, pelos os quais estamos eternamente vagando neste plano.

4. Srila Gurudeva no Verdade Revelada

Não tente imitar o que os sādhus fazem. O sādhu (a pessoa santa, o sábio) poderá fazer algo que seja útil para alguém que esteja em um estágio mais elevado, mas pode não ser útil para alguém que esteja em um estágio inferior. Sadhu-sanga significa tentar praticar a nossa vida espiritual sob a orientação/guia de um sādhu. Sadhu-sanga significa seguir as instruções dadas pelo sādhu, o que não significa tentar imitar o seu comportamento.

 

 

 

Passatempo de Sannyas de Mahaprabhu: Uma Grande Tragédia de Separação

Introdução:

Este texto é um compilado de trechos extraídos da obra “O Vulcão Dourado do Amor Divino” de Srila  Bhakti Raksak Sridhar Maharaj, de uma aula dada por Srila Bhakti Sundar Govinda Maharaj na ocasião desse festival, em 2006, e do artigo “A adoração de Srila Bhaktivinoda Thakur” de Srila Govinda Maharaj. O calendário de 2014 mostra que o passatempo de sannyasi de Mahaprabhu acontece entre os dias 13 a 15 de janeiro.

O Avatar Dourado

Sri Chaitanya Mahaprabhu, o Avatar dourado, é a encarnação do Senhor Krishna para a era de Kali. Segundo Srila Govinda Maharaj, há um śloka (verso) determinante entre os Vedas, Puranas, Upanishads, que confirma esse fato:
Krishna-varnam tvisakrishnam,
sangopangastra parsadm
Yajnaih sankirtana-prayah
Yajanti hi sumedasah

“Acompanhado de seus associados, Ele é adorado pelo processo de saṅkīrtan, o canto do Santo Nome de Krishna, e aqueles que têm um intelecto refinado realizarão este tipo de adoração.”
Nimai Pandit (seu nome antes de tomar as vestes da renúncia), era um jovem de 24 anos, erudito, mais belo que o cupido, e causou grande comoção em toda a Bengala quando tomou sannyāsa.

Há um capítulo no livro “O Vulcão Dourado do Amor Divino”, em que o sannyās-lila de Mahaprabhu é descrito:
Segundo o cálculo solar, foi no dia de Makara-Saṇkrāntī, uma conjunção auspiciosa de estrelas, que Nimai Pandit foi para Katwa para aceitar sannyāsa, a ordem de vida renunciada. Depois disso, Ele passaria a ser conhecido como Sri Chaitanya Mahaprabhu. Ele atravessou o Ganges a nado e, em roupas molhadas, correu até Katwa. Pouco antes disso, Ele revelou a apenas uns poucos amigos, incluindo Nityananda Prabhu, Gadadhara Pandit, Mukunda, e outros: “ Aproxima-se o tempo em que aceitarei as vestes da renúncia.”

Poucos dias antes disso, um grupo de oposição havia se levantado contra Nimai Pandit. Aqueles que acreditam que a natureza material é o princípio mais elevado e que a consciência é subproduto da matéria começaram a abusar de Nimai Pandit Prabhu.

Certa vez, um brāhmaṇ que acreditava ser uma pessoa muito religiosa e qualificada, porque ele só se alimentava de leite, pediu a Mahaprabhu para participar de seu kirtans norturnos, onde Ele saboreava Krishna-lila. Sri Chaitanya Mahaprabhu respondeu: “Beber leite não é qualificação para ingressar na consciência de Krishna”. Diante da negativa, esse brahman amaldiçoou Mahaprabhu a perder sua vida familiar. E Mahaprabhu aceitou a maldição. Ele disse “está certo!”

Ele pensou: “Eu vim para libertar os homens mais decaídos, mas se eles cometerem ofensas contra Mim, não haverá esperança para a sua elevação.” Ele pensou: “Deixarei a a vida familiar e tomarei sannyasa. Irei de aldeia em aldeia, de cidade em cidade, pregando os Santo Nome de Krishna”.

Milhões de olhos em lágrimas

Nityananda Prabhu se aproximou do tio materno de Nimai, Chandrasekhara, Mukunda Datta e Jagadananda Pandit. Nesta tarde, teve início a cerimônia de sannyasi. Chandrasekhara Acharya foi convidado a realizar a cerimônia em nome de Nimai Pandit, que começou a cantar e dançar encantando o público.

“Enquanto uma chuva de lágrimas caía dos olhos de milhões de pessoas, Ele Se deleitou tendo Seu belo cabelo raspado. Milhões de vozes cantaram as glórias de Krishna, enquanto Sri Krishna Chaitanya aceitava o bastão da renúncia. A partir desse momento, onde quer que Ele fosse, quem O visse nas vestes de sannyasi chorava de tristeza. Canto as glórias desse belo Deus Dourado, que concede amor divino.”

Chandrasekhara Acharya foi encarregado de realizar os rituais da cerimônia de sannyasi, quando o mantra estava para ser conferido, Nimai Pandit perguntou para Kesava Bharathi: “Esse é o mantra que você me dará? Eu o ouvi em um sonho.” Ele sussurrou o mantra no ouvido de seu guru que concordou dizendo: “Sim, essse é o mantra que eu darei a Você.” Então o mantra foi dado . E o nome deste sannyasi também não foi dado de forma ordinária. Um nome muito peculiar manifestou-se através de Kesava Bharati: “Krishna Chaitanya”. Logo que a multidão ouviu esse nome, todos começaram a gritar: “Sri Krishna Chaitanya Mahaprabhu ki jaya! Todas as glórias a Sri Krishna Chaitanya!”
Mahaprabhu estava muito contente pensando: “Eu vou libertar tantas almas de sua miséria e aflição eternas. Eu prometi libertar o mundo inteiro deste oceano de misérias e levá-los para o mundo nectáreo e agora vou aceitar esta tarefa.” Ele estava muito feliz, mas todos a sua volta mergulhavam num oceano de desespero e tristeza.

O sannyās-lila de Mahaprabhu é cheio de austeridades. Ele as mostrou aos seus devotos e ao mundo. Ele seguiu ao pé da letra os costumes de um sannyāsa daquela época. Ele não dormia em cama, jamais usou óleos em seu corpo e assim por diante. Seus devotos estavam sempre tristes por vê-lo observar tais austeridades.

Em nossa escola, Sri Chaitanya Saraswat Math, Srila Guru Maharaj estabeleceu que * por três dias serve-se apenas arroz e dalma (dal com alguns legumes).
*(durante a ocasião desse passatempo, que dura três dias, relembrando o humor dos moradores de Nabadwip os devotos observam essa dieta menos festiva)

Qual o significado de Seu Sannyasi?

Dentro do conceito Krishna de teísmo existe uma relação de raízes profundas entre a união com o Senhor e a separação Dele. Sem separação, a união não pode ter raízes profundas. A dor da separação pode entrar nas profundezas do coração muito mais do que a felicidade. Tal apreensão aumenta nossa satisfação. Quanto maior for nosso desejo, maior será nossa satisfação. Isso é especialmente verdade nos assuntos amorosos. Se não há necessidade de uma coisa, essa coisa não tem valor.

Mais tarde, depois de Sua conquista de todos os eruditos e religiosos da Índia de diferentes posições e credos, quando Ele retornou a Nabadwip depois de cinco anos, todos estavam transformados. A população se aproximou Dele enlouquecida. É difícil conceber o tamanho da loucura com que as massas se aproximaram de Sri Chaitanyadeva, a criança de seu próprio vilarejo.
Por cerca de dezoito anos, Sri Chaitanya Mahaprabhu viveu uma vida acadêmica como Nimai Pandit.

Depois disso, por cerca de seis anos, Ele perambulou por toda a Índia, incluindo Vrindavan. Nos últimos dezoito anos de Sua vida, Ele permaneceu em Jagannath Puri continuamente. Nos primeiros seis anos de seu sannyasa, Ele se misturou com o público em geral. Nos últimos doze anos de sua vida. Ele se retirou de toda a sociedade humana e envolveu-Se profundamente na atividade de saborear a união em separação de Radha-Govinda.

O sannyasa de Sri Chaitanya Mahaprabhu foi aparentemente muito cruel para Seus devotos e para os membros de Sua família, mas destinava-se apenas a nos conduzir ao nosso lar. Para produzir o êxtase da união era necessário que Sri Chaitanya Mahaprabhu mostrasse a separação de Seus devotos e parentes. Separação e união se ajudam mutuamente. O sannyasa de Mahaprabhu, a Sua Renúncia é uma grande tragédia de separação.

Para conhecer mais sobre a história de Mahaprabhu, sugerimos que você leia a obra “O Vulcão Dourado do Amor Divino” de Srila Bhakti Raksak Sridha Maharaj.