Poder e Compaixão Personificados em Serviço

Por Sripad Bhakti Kamal Tyagi Maharaj, 2017

Neste alegre dia do aparecimento de Balarām, hoje os Vaiṣṇavas se reúnem para glorificar o Senhor Balarām, assim como sua forma não diferente, Śrī Nityānanda Prabhu. Nessa ocasião escutamos alguns anos Śrīla Gurudev falar e relacionar qual a essência do que devemos entender sobre o Senhor Balarām.

Em conexão com o dia particular de seu aparecimento, que é um ano e uma semana antes do aparecimento do Senhor Kṛṣṇa, é descrito que ele foi transferido do ventre de Devakī para o ventre de Rohiṇī, e nasceu em Vṛndāvan. É dito que por causa dessa maneira única sob a qual Ele apareceu, Ele ficou conhecido como Saṅkarṣaṇ. Karṣaṇ significa ser colocado, transferido, puxado, porque ele foi completamente transferido de ventre. Esse verso  que Gurudev disse,

garbha-saṅkarṣaṇāt taṁ vai prāhuḥ saṅkarṣaṇaṁ bhuvi
rāmeti loka-Rāmaṇād balabhadraṁ balocchrayāt

(SB 10.2.13)

contém três pontos: 1º Ele é conhecido como Saṅkarṣaṇ porque ele foi puxado do ventre de Devaki para o ventre de Rohiṇī. 2º ele diz Rāmeti loka-Rāmanad, e Ele é conhecido como Rām, porque Ele dá Rām às pessoas. Rām significa felicidade, alegria, prazer. E porque Ele dá isso Ele é conhecido assim. E quando Gurudev explicou isso ele notou: “Como Ele dá Rām às pessoas? Com sua beleza. Apenas com sua presença Ele dá isso a todos.” E por fim, por causa de sua força, Ele é conhecido como Balabhadra, ou Balarām, Baladev. Então estes nomes, Saṅkarṣaṇ, Rām, Balabhadra, Baladev. E com estas qualidades Ele é o servo ideal de Kṛṣṇa.

Quão maravilhoso é servir Kṛṣṇa, quantas coisas há para serem feitas para o serviço de Kṛṣṇa. Balarām é o testamento disso. Ele representa a ideia de se ter um apetite insaciável por sevā. Um sevā não é suficiente. “Eu quero inúmeras chances de servir. Não posso viver sem sevā.” Por isso Ele é manifesto em todas as formas e parafernálias com as quais Kṛṣṇa é servido. No Charitāmṛta muitas listas são dadas, há uma lista com 10 itens: como o āsan do Senhor, Sua cama, Suas sandálias, Seu cordão sagrado, Seu guarda-chuva, Sua casa. Não é que são apenas estes 10. Estes 10 constam. E se expandindo nestas formas infinitas, Ele está lá para satisfazer Kṛṣṇa. E outro ponto a esse respeito, é que qualquer parafernália ou oportunidade que nós recebemos para servir Kṛṣṇa, vem Dele. Ele é o proprietário de todos os recursos de serviço. Sejam eles objetos físicos, ou conhecimento e compreensão de como eles devem ser utilizados.

No Navadvīpa-dhāma-māhātmya, escutamos sobre Jīva Goswāmī Prabhu vindo encontrar Nityānanda Prabhu em Nabadwīp Dhām, e pela misericórdia de Nityānanda Prabhu ele tem um darśan do Dhām, de Mahāprabhu, ele tem a chance de se associar com os devotos de Mahāprabhu. E ele é abençoado a conseguir sua educação e servir a sampradāya desta maneira. Então este é um belo ornamento da contradição. Apenas com a misericórdia de Balarām alguém pode adquirir alguma concepção ou conhecimento sobre Kṛṣṇa. Mas ao mesmo tempo Ele é conhecido por ser não muito meticuloso, ou julgador das coisas. Gurudev se referiu a uma discussão ou conversa entre Kṛṣṇa, Balarām e Uddhava, que é comemorada como um poema lírico chamado de Sisupalvad. Há uma linha em que o debate vai sobre como eles vão lidar com Jarāsandha. E Kṛṣṇa e Uddhava estão considerando todos os fatores envolvidos, os outros reis da área, as outras alianças, assim como os guerreiros particulares dos vários exércitos, os favores e o suporte que eles têm de alguns devas, a hierarquia dos devas nos planos sutis. Como ajustar as coisas no plano terreno, celestial. E todas essas sutilezas sendo consideradas, Balarām chega e quer saber sobre o que eles estão falando. E quando o tema vem à tona, ele diz: “Com um golpe eu resolvo tudo!” Guru Mahārāj ressaltou esse verso no Sisupalvad, em que ele fala: “Assim falou aquele da mão de maça”. Então no plano material há um dizer popular: ‘quando a única coisa que temos é um martelo, só vemos pregos à nossa volta.’ Não apenas isso se refere a alguém que não está pensando muito bem sobre as coisas, mas a glória de Balarām é um reflexo disso. A persona de Balarām é conhecida por esse tipo de simplicidade, e ao mesmo tempo Jīva Goswāmī compôs sob sua misericórdia. Tudo veio sem esforço através do desejo Dele. Então, de nenhum ângulo podemos diminuir ou tomar suavemente a posição Dele, que é fundamental.

O ponto principal é que apenas com a graça Dele qualquer pessoa tem a oportunidade de servir o Senhor. Gurudev apontou que podemos tomar esse significado de um verso particular nos Upaniṣads, um verso muito famoso:

nāyam ātmā pravachanena labhyo
na medhayā na bahunā śrutena
yam evaiṣa vṛṇute tena labhyas
tasyaiṣa ātmā vivṛṇute tanūṁ svām

Kaṭha Upaniṣad
 (1.2.23)

Nós não podemos obter o Senhor com nosso intelecto, nosso estudo, nossas palestras, nossa capacidade de descrevê-lo. Ele é alcançável apenas por quem Ele escolhe. A eles Ele revela Sua forma. Foi em conexão com esse śloka que Śrīla Guru Mahārāj disse que se o infinito não puder se revelar ao finito, Ele não é infinito.

Mas em outras partes dos Upaniṣads, encontramos variantes deste verso. O mesmo verso com algumas palavras diferentes, nāyam ātmā bala-hīnena labhyaḥ: aqueles que não têm bala, força, eles não podem conseguir conexão com o Senhor. E Śrīla Saraswatī Ṭhākur desafiou uma deturpação disso por Vivekānanda que disse que bala-hīnena, sem força, nós não podemos obter o Senhor, por isso precisamos de exercícios físicos, que fazem parte de nossa disciplina espiritual. E nas escolas de Bengal ele começou a introduzir programas de educação física, dizendo que até nos Upaniṣads estava escrito que isso é necessário. A resposta de Saraswatī Ṭhākur foi que esse bala do verso não se refere a força física, mas a Balarām. Em sentido mais amplo, sem um poder divino agindo em nosso favor, não é possível. E Balarām é a personificação disso. Então desta perspectiva, de acordo com esse verso, sem a graça, sem a conexão de Balarām, não é possível atingir Kṛṣṇa.

E Guru Mahārāj exalta esse ponto na conclusão de seu Nityānanda Dvadāsakam: ŚrīRadha-Kṛṣṇa-līlā-rasa-madhura-sudhasvada-suddhaika-murtau, que são 21 sílabas que indicam o Nome de Mahāprabhu, que Ele é a personificação única do que é o gosto puro e completo do rasa sem precedentes encontrado no līlā de Rādhā e Kṛṣṇa. Em outras palavras, o que é encontrado no līlā de Radha e Kṛṣṇa, isso é expresso por Chaitanya Mahāprabhu. Então ele diz: gaure sraddham drdham bho, é uma oração: que Nityānanda Prabhu nos dê fé, śraddhā, neste Gaurāṅga Mahāprabhu. Quem é Nityānanda Prabhu? prabhu-parikara-samrat :Ele é o líder  entre todos os associados de Mahāprabhu. Então eu, uma alma caída estou apelando a essa autoridade mais elevada, para ser abençoado com tal fé. Ullanghyanghrim hi yasyakhila-bhajana-katha, se você negligenciar Nityānanda Prabhu, se você não se preocupar com a posição de Nityānanda Prabhu, então você terá devoção, terá sādhana, todas estas coisas, apenas em seus sonhos, svapnavach. Você pensará que tem, mas de fato não tem. Svapnavach chaiva mithya, elas serão tão falsas quanto um sonho. Então ele diz: Śrī-nityananda-chandram patita-sarana-dam: Nityānanda Prabhu é aquele que dá abrigo ao caído, aquele que dá Śrī Gaurāṅga, eu aspiro servi-Lo. Na linha que se repete em todos os versos ele diz: bhaja bhaja satatam gaura-Kṛṣṇa-pradam tam, dizendo que sempre, constantemente devemos estar engajados no serviço a Nityānanda Prabhu, aquele que dá Gaura Kṛṣṇa. Então esta é uma bela coisa. Ser lembrado do privilégio inerente de se ter qualquer gota de consciência de Kṛṣṇa.

Vaikunthera prthivy-adi sakala chinmaya (Śrī Chaitanya-charitamrta: Adi-līlā, 5.53): cada partícula daquele plano mais elevado é superior em natureza a mim mesmo. É apenas pela necessidade de serviço que posso me aventurar naquele plano. E é apenas por graça que a oportunidade de servir se estenderia a alguém tão sem merecimento e inapropriado como eu. Dessa maneira cada entidade, em cada camada, tem seu abrigo específico em Nityānanda Balarām. E nos Passatempos de Kṛṣṇa escutamos algumas ilustrações sobre o poder e caráter de Balarām. Como ele matou Denukhasura, Pralambhasura, seu combate ao gorila. Quando Balarām retorna a Vṛndāvan de Dvārakā, e satisfaz os residentes de Vraja que estão em separação de Kṛṣṇa, então durante sua visita, um demônio ataca na forma de gorila [SB 10.67]. Contamos essa história às crianças hoje, houve uma destruição massiva de uma floresta, e Balarām balançando sua maça como se fosse um taco de baseball, muito poder sendo expresso, e por fim o gorila foi derrotado.

Outro ponto que Śrīla Gurudev se referiu, que era a performance do rasa-līlā por Balarām. E sobre este ponto Vṛndāvan Dās Ṭhākur dá muita ênfase no Chaitanya-bhagavat, bem no começo. E naturalmente cria uma questão na mente das pessoas: se Balarām é um devoto, como Ele fez isso também? Mas é dado por Sanātan Goswāmī, e Param Guru Mahārāj disse isso, que quando Balarām está executando esse Passatempo, ele está meditando em Kṛṣṇa o tempo todo, e tudo que acontece a Ele, internamente Ele passa para Kṛṣṇa. Ele nunca tem a mentalidade de um desfrutador, sempre de um servidor. Mas Ele é muito simpático aos outros devotos e quer ver que o serviço deles alcança Kṛṣṇa. E mesmo nesse tipo de forma, de Passatempo, ele executa essa função de dar a oportunidade aos devotos de servir Kṛṣṇa. E é durante esse Passatempo que o gorila chega. Uma bela noite, a fragrância das flores, o efeito intoxicante do vāruṇī que todos estavam bebendo, a brisa e as ondas do Yamunā. E nesse momento idílico, chega esse animal extremamente grosseiro, e começa a se comportar de uma maneira muito bárbara. E para proteger todos os devotos Balarām precisa aniquilá-lo. Então esse é um ponto a se considerar. A força que Balarām tem é sempre utilizada a serviço de Kṛṣṇa e para a proteção dos devotos. Em outras palavras, à extensão que se é um instrumento do desejo de Kṛṣṇa, e à essa extensão, um poder ilimitado por fluir. Ou mesmo ser mantido sob o cuidado da pessoa para ser utilizado de acordo com a necessidade real . Esse equilíbrio delicado é a dignidade dos puros servidores de Kṛṣṇa. Balarām é forte, belo, extremamente desejoso de fazer sevā. De qualquer maneira. Não importa o quão desprazeroso seja.

No Kṛṣṇa-līlā tudo é trazido a Kṛṣṇa. Mas no Gaura-līlā, Kṛṣṇa está distribuindo isso. E quando o Senhor tem esse desejo, como Balarām responde? Com um extremo de dispensação liberal e de compaixão. Esse poder através qual ele é conhecido é então expresso com uma tolerância inacreditável, e cuidado pelo bem-estar dos outros. Então quando sua cabeça está sangrando depois de ser atingido pelo pote atirado por Mādhāi, e Mahāprabhu está entrando em ‘outro modo’, então Nityānanda Prabhu diz: “Mas o irmão dele não queria que ele fizesse isso. Ele o queria impedir. Não utilize o chakra agora, vamos ter compaixão.”

Comparado a atirar um pote de barro, Jarāsandha promoveu uma guerra massiva dezessete vezes maior, e Balarām esteve pronto para o destruir a qualquer momento. Mas aqui, em oposição a isso, Nityānanda Prabhu está tão compassivo. Então como esses relacionamentos são mostrados, e as trocas de afeto também, isso é maravilhoso. Tanto que por fim Nityānanda Prabhu vem extremamente clemente e compassivo, mesmo com os demônios. E submisso a Mahāprabhu.

Escutamos que depois do Rām-līlā, foi duro para Ele. Foi muito difícil obedecer a ordem de Rām para banir Sītā, isso foi muito difícil. Então de alguma maneira, no Kṛṣṇa-līlā Balarām não quer escutar o que Kṛṣṇa diz. No Gaura-līlā encontramos uma combinação maravilhosa de ambos estes aspectos, onde Mahāprabhu diz: “Vá para Bengal e tome conta dos devotos.” E Nitāi diz: āmi ‘deha’ tumi ‘prāṇa’(Cc Madhya 16.66), Eu sou o corpo e você é a alma. Ou seja, como Você disser, como Você quiser. Assim Ele vai e tolera a separação de Mahāprabhu para o bem dos devotos e das pessoas em geral. Ele segue. Mas também Ele volta. Não pode ficar muito tempo longe. É dito que às vezes Gaura e Nitāi se encontravam sozinhos, seguravam as mãos um do outro, se olhando nos olhos, e ninguém sabia o que eles discutiam. Ninguém sabia o que eles estavam trocando. Se era para o benefício do mundo, o que se passava entre Eles. Mas o que quer que fosse, era bom! Porque todos os Passatempos Deles são maravilhosos ao extremo.

Então esse Balarām apareceu como Nitāi. E aí nós obtemos muito mais iluminação sobre Seu caráter e Suas atividades em relação ao Senhor. No dia de aparecimento de Balarām, nos lembramos de ambos os Passatempos em Vraja e de Suas glórias como Nityānanda Prabhu.  Esta é uma ocasião naturalmente feliz. E de acordo com o costume descrito no Hari-bhakti-vilasa, na ocasião dos aparecimentos do Senhor Viṣṇu nós jejuamos até o momento de Seu aparecimento. Gurudev mencionou isso neste dia, mas uma vez ele fez uma brincadeira e disse: “Agora é meio dia, está na hora de oferecer a Balarām, e Ele tem muito apetite.” Desta maneira estamos aqui, e agora é o momento da oferenda. E Viśākhā Didi não falou nada

Viśākhā Didi: Você não falou o pranam mantra de Balarām

Tyagi Mahārāj:

sphurad-amala-kiritam kinkini-kankanarham
chalad-alaka-kapolam kundala-Śrī-mukhabjam
tuhina-giri-manojnam nila-meghambaradhyam
hala-mushala-vishalam kama-palam samide
(Śrī Garga-samhita: 8.2.13.4)

“Balarām realiza todos os desejos. Todos os desejos de Kṛṣṇa. Todos os desejos de todos os devotos. De todo mundo. Ele carrega Seu arado e Sua maça, Sua aparência é muito poderosa. Gurudev uma vez disse que as armas Dele são eletrificadas. Ele pode fazer qualquer coisa com elas. Suas roupas são de um azul profundo, como as nuvens. Essa seda azul profundo está sobre sua pele branca como a neve. Tuhina-giri significa o pico de uma montanha branco de neve. Então assim como um pico com neve é cercado de nuvens, algo assim, o corpo branco de Balarām com essa roupa azul profundo. E ele usa tantos ornamentos que balançam. Sua testa é bem ampla, e brilha, seus cachos emolduram sua testa. E Gurudev fala que esse cabelo tem uma negligência agradável os faz mais belos. Dessa maneira Balaram aparece tão belo, tão poderoso, e Ele está ali para realizar os desejos de Kṛṣṇa e de todos. Essa visão de Balarām estava no coração de nosso Gurudev, então nós pelo menos nos lembramos das palavras que descrevem isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s